Quem sou eu

Minha foto
Associação de Amparo a Pacientes com Câncer ESTE BLOG É VOLTADO PARA DEMONSTRAR O TRABALHO ASSISTENCIAL DA ASAPAC DECLARADA DE UTILIDADE PÚBLICA E SEM FINS LUCRATIVOS

quinta-feira, 2 de junho de 2011

Qual a diferença de câncer maligno e benigno

Qual a diferença de câncer maligno e benigno

Curiosidades, Saúde 08/10/09 Maikon

Para quem não sabe, um tumor surge graças a uma alteração genética das células do organismo, sendo que no caso dos cânceres malignos se multiplicam de maneira descontrolada. Devemos entender que em nosso organismo existe um ciclo de vida e morte que necessita do ciclo de reciclagem das células e como exemplo, as células do cérebro duram para toda a vida, já as células do sangue duram apenas alguns dias. Os denominados oncogenes são os principais ativadores que estimulam a sua multiplicação, sendo que ao mesmo tempo os supressores realizam o contrário, o controle do crescimento e a morte das células.
Para o tumor benigno ocorre-se uma pequena mutação genética da célula, entretanto, não prejudica a célula tornando-a degenerativa. E em relação ao tumor maligno, pode ocorrer um descontrole dos oncogenes ativadores que fax com que as células se multipliquem de forma mais acelerada. Simultaneamente os oncogenes supressores perdem a capacidade de controlar o aumento da célula que deveria ser combatida para que continue havendo vida. Sobretudo, o processo ocasiona em uma ruptura da estrutura que mantém as células unidas e ligadas, no qual ocorre um aumento descontrolado das células que tinha como obrigação ocupar um único lugar no organismo. Como estas células consequentemente penetram-se na estruturas vizinhas, como por exemplo, ossos e tecidos, denominados assim, de células invasivas. Para agravar ainda mais a situação, os tumores malignos quebram a membrana dos vasos que faz com que elas caiam na corrente sanguínea, e uma vez no sangue, ocorre a metástase que é o processo no qual as células modificadas viajam no organismo e atacam os demais órgãos.
Essas mutações celulares podem ser hereditárias (que se transmite dos ascendentes aos descendentes) e também podem ser adquiridas ao longo da vida, no qual é causado por três agentes cancerígenos, sendo eles: químicos (cigarro), biológicos (vírus) e físicos (exposição excessiva a luz solar). Assim, o tumor é um foco de multiplicação anormal das células que se tornar um caroço ou pretuberância, no qual ser benigno ou maligno depende da constituição destas células, assim os benignos as células crescem de forma muito lenta e não agride o indivíduo. Já no maligno o crescimento é rápido e se espelha pelo organismo criando focos, além de ser agressivo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Diagnóstico do câncer

O Diagnóstico do câncer
O câncer é uma patologia com localizações e aspectos clínico-patológicos múltiplos e não possui sintomas ou sinais patognomônicos, podendo ser detectado em vários estágios de evolução histopatológica e clínica. Destes fatos resulta, em grande parte, a dificuldade do seu diagnóstico e a afirmativa de que a suspeita de câncer pode surgir diante dos sintomas os mais variados possíveis. O paciente, ao procurar um médico, não sabe ainda a natureza da sua doença e, assim, não procura diretamente um especialista. Setenta por cento dos diagnósticos de câncer são feitos por médicos não-cancerologistas, o que evidencia a importância destes profissionais no controle da doença.O médico chega a uma suposição diagnóstica através de várias etapas, durante as quais deve proceder a uma análise cuidadosa, com base principalmente em seu conhecimento do caso e da patologia, olhando sempre o paciente como um todo, não se restringindo ao sistema-alvo da sua especialidade. Neste processo, toma diversas decisões, cujo acerto ou erro repercute sobre a sobrevida do paciente e/ou sua qualidade de vida. No Brasil, muito ainda tem de ser feito para que os médicos assumam a responsabilidade que lhes cabe quanto à prevenção e ao controle do câncer. A adequação das condutas diagnósticas e terapêuticas, e a agilidade no encaminhamento do caso constituem o âmago do exercício efetivo de tal responsabilidade.Fonte de pesquisa: INCA - Instituto Nacional de Câncer

CÂNCER DE PRÓSTATA

CÂNCER DE PRÓSTATA

O que é?
O câncer de próstata (CP) é o tumor mais comum em homens com mais de 50 anos de idade. Com os progressos da Medicina e de outras áreas que interferem com a saúde, espera-se para as próximas décadas uma população cada vez maior de homens atingindo faixas etárias bem superiores àquela. Conclui-se, portanto, que mais casos de CP serão diagnosticados. Atualmente, existem no país diversas campanhas de detecção precoce dessa neoplasia (câncer).
O diagnóstico precoce é deveras importante, visto ser esse um câncer curável nos estágios iniciais.

Leia também

Câncer de próstata - prevenção Câncer de próstata - detecção precoce Sexo e câncer Hiperplasia benigna da próstata Prostatite O que é câncer

Como se desenvolve?

A próstata é uma glândula localizada próximo à bexiga cercando a uretra na sua porção inicial. As secreções prostáticas são o maior componente do líquido seminal (ou esperma).

A origem do CP é desconhecida, entretanto, presume-se que alguns fatores possam influenciar o seu desenvolvimento.

Entre eles, o fator genético, visto a incidência desta neoplasia ser maior em familiares portadores da doença. A presença de CP em parentes do primeiro grau aumenta a probabilidade de diagnóstico desse câncer em 18%.
O fator hormonal é bastante importante, pois essa neoplasia regride de maneira significativa com a supressão dos hormônios masculinos (por exemplo, castração). Pesquisas feitas em ratos tratados cronicamente com testosterona mostraram o desenvolvimento do câncer de próstata nesses animais. A testosterona não é indutora de câncer, entretanto, em homens já com a neoplasia ou com predisposição, a testosterona estimularia o seu crescimento. Por outro lado, o CP não ocorre em eunucos.

Ultimamente, tem se dado muita atenção ao fator dieta. Dietas ricas em gordura predispõem ao câncer e as ricas em fibras e tomate diminuem o seu aparecimento. Baseados em levantamentos epidemiológicos em áreas geográficas de maior incidência de CP notou-se que dietas ricas em gordura aumentam os riscos de seu aparecimento. Talvez por interferência no metabolismo dos hormônios sexuais, várias outras substâncias estão sob investigação como as vitaminas, o cádmio, o zinco.
Doenças venéreas não tem relação com o CP embora o herpesvírus tipo II e o citomegalovírus induzam transformações carcinogenéticas em células embrionárias de hamster (pequeno animal de experimentação).
O fator ambiental é alvo, também, de investigação. Populações de baixa incidência de CP, quando migram para áreas de alta incidência, apresentam um aumento na ocorrência de casos. Fumaça de automóveis, cigarro, fertilizantes e outros produtos químicos estão sob suspeita.

O que se sente?

Nas fases iniciais nada se sente. O tumor somente é detectado em exames clínicos e laboratoriais de rotina que são:
o toque retal e
a dosagem do antígeno prostático específico ou PSA.
Nos casos de CP sintomático, o paciente se queixa de dificuldade para urinar, jato urinário fraco, sensação de não esvaziar bem a bexiga, ou seja, sintomas de obstrução urinária. Sangramento na urina pode ser uma queixa, embora mais rara.
O paciente pode manifestar dores ósseas como sinal de uma doença mais avançada (metástases).
Anemia, perda de peso, adenopatias (ínguas) no pescoço e na região inguinal podem também ser a primeira manifestação da doença.


Como se faz o diagnóstico?

Todo o homem a partir dos 45 anos deve realizar o toque retal e dosagem do PSA, principalmente aqueles com história familiar de CP (e de câncer de mama), independentemente de sintomas. Em caso de toque anormal e ou PSA elevado, o paciente deverá ser submetido a uma ecografia transretal com biópsia prostática. Os fragmentos obtidos serão levados ao exame anátomo-patológico. Uma vez confirmado o diagnóstico, o tumor deverá ser estagiado. Isto significa que exames deverão ser solicitados a fim de que se possa saber se o tumor está confinado à próstata ou se já invadiu órgãos adjacentes (bexiga, vesículas seminais, reto) ou se já enviou metástases. A cintilografia óssea é o exame mais útil nessa fase e nos dá informações quanto à metástases no esqueleto.

Outros exames eventualmente pedidos são: fosfatase alcalina, tomografia computadorizada de abdômen, radiografias de tórax, radiografias do esqueleto.

Como se trata?

O CP pode estar confinado à próstata na forma de um pequeno nódulo, como também pode estar restrito a ela, porém envolvendo toda a glândula. O CP, além de localizado, pode estar comprometendo os limites desse órgão e invadir outros órgãos adjacentes, como as vesículas seminais ou a bexiga. Linfonodos obturadores e ilíacos são, geralmente, o primeiro estágio das metástases para depois ocorrerem metástases ósseas.
Para descrever a extensão do tumor (estadiamento) existem várias classificações (classificação de Whitmore, TNM). Além do fato extensão tumoral, é importante saber que o CP apresenta uma diversificação de células, mais ou menos malignas, que também sofrem um processo de classificação (Classificação de Gleason).

Baseado no estadiamento do tumor e de sua classificação de Gleason é que se escolhe o tipo de tratamento.
Para os tumores localizados dentro da glândula, a prostatectomia radical e a radioterapia são as primeiras opções e consideradas curativas.
Os tumores que avançam para fora da próstata, mas sem evidência de metástases, são geralmente tratados com radioterapia.
Os tumores metastáticos são paliativamente controlados com hormônios femininos, orquiectomia, drogas anti-androgênicas ou análogos do LHRH.
O tratamento do CP é muito controverso pois são muitas as variáveis:
idade do paciente
níveis do PSA
estágio do tumor
tipo histológico
Além disso, deve-se discutir com o paciente as complicações do tratamento.
Tanto a prostatectomia radical quanto a radioterapia podem deixar o paciente impotente bem como incontinente urinário.
A hormonioterapia diminui a libido e causa impotência sexual.
Deve-se considerar também a idade do paciente na época do diagnóstico e sua expectativa de vida sem a doença.
Pacientes muito idosos e com baixa expectativa de vida certamente se beneficiarão com tratamentos menos agressivos.
Problemas psicológicos e culturais fazem da orquiectomia (retirada dos testículos) um tratamento indesejado. Outras formas de terapia não têm bons resultados ou estão sob investigação, como é o caso da quimioterapia, terapia genética e fatores do crescimento.

Qual é o prognóstico?
O prognóstico depende do estádio (extensão) e grau histológico (Gleason), principalmente. Se o CP é localizado e se o paciente realizar uma prostatectomia radical, a sobrevida em 10 anos pode atingir 90%, sendo equivalente à da população normal. O índice de recorrência local após 5 anos é de 10% contra 40% da radioterapia. A radioterapia utilizada no CP localizado ou localmente avançado (fora da próstata mas sem metástases) apresenta biópsias positivas de 60 a 30% dos casos quando realizadas seis meses e dois anos respectivamente após o tratamento.
Nos casos metastáticos, o tratamento é paliativo e o prognóstico bem mais reservado.
Perguntas que você pode fazer ao seu médico
Existe maneira de fazer o diagnóstico precoce do câncer de próstata?
Existe cura para o câncer de próstata?

Como se trata este câncer?


Devo operar ou não?




PROTEJA-SE

PROTEJA-SE
do Câncer de Pele

www.inca.gov.br

Prevenção do

Câncer de Pele
sol é importante para a saúde, mas é preciso ter cuidado
com o excesso. Quando os raios ultravioleta (tipo B)
atingem as camadas mais profundas da pele, podem alterar suas células e provocar envelhecimento precoce, lesões nos olhos e até câncer de pele.
Alguns cuidados especiais são necessários, principalmente para as crianças e para aqueles que trabalham ao ar livre:
Evite exposição prolongada ao sol entre 10h e 16h;
Não deixe de usar:
Chapéus de abas largas;

Camisas de manga longa;

Calça comprida.

Se puder, use óculos escuros e protetores solar;
Usar o filtro solar apenas uma vez durante
Todo o dia não protege por longos períodos. É necessário reaplicá-lo a cada duas horas, durante
A exposição solar. Mesmo filtros solares
“à prova d’água” devem ser reaplicados.
Procure lugares com sombra, sempre que possível;
Evite trabalhar nas horas mais quentes do dia.
O câncer de pele .

FONTE:
Instituto Nacional de Câncer
Ministério
da Saúde



8 DE ABRIL DIA MUNDIAL DE COMBATE AO CÂNCER

EM SÃO JOÃO DEL REI A ASAPAC PROMOVERA UM DIA DE PREVENÇÂO CONTRA O CÂNCER DE PRÓSTATA,COM DISTRIBUIÇÃO GRATUITA PARA OS HOMENS ACIMA DE 45 ANOS DE PSA ,MAS PALESTRA SOBRE PREVENÇÃO ,DIAGNÓSTICO,ESCLARECIMENTOS À POPULAÇÃO SOBRE A ATUAÇÃO DA ASAPAC ,BRINCADEIRAS PARA AS CRIANÇAS E MUITO MAIS. NÃO DEIXE DE VIR,SERÁ REALIZADO NA AVENIDA PRESIDENTE TANCREDO NEVES ,CENTRO

A Asapac Sete Lagoas promoveu um café da manhã para a entrega de doações no dia 02/08/2011 Nosso endereço do nucleo de Sete Lagoas ruaA Asapac Sete Lagoas promoveu um café da manhã para a entrega de doações no dia 02/08/2011 novo endereço: Rua DR. CHASSIN,30 CENTRO.

GANHADOR DA RIFA DE 2010

GANHADOR DA RIFA DE 2010
EM 2011 SERÁ O NOVO UNO

MENSAGEM

QUERO FAZER DA MINHA CABEÇA E DO MEU CORAÇÃO UM NINHO DE AMOR À DEUS , E AOS MEUS SEMELHANTES.

EU FIZ DA MINHA CABEÇA E DO MEU CORAÇÃO UM NINHO DE AMOR À DEUS E AOS MEUS SEMELHANTES.._________________________________________________

QUEM DE DEUS SOUBER DOAR , DE DEUS SERÁ DIGNO DE TUDO RECEBER.

MARIÚ CORTANDO A FAIXA

MARIÚ CORTANDO A FAIXA
INAUGURADO EM PATOS DE MINAS MAIS UM ABRIGO DA ASAPAC

MARIÚ ENTREGA O PREMIO DE 2009

MARIÚ ENTREGA O PREMIO DE 2009
COMPROMISSO CUMPRIDO